Notícias

Ética e Transparência Empresarial

04 de Outubro de 2021

Nos últimos anos alguns conceitos que devem permear a relação entre colaboradores, empresas e sociedade em geral vêm ganhando cada vez mais destaque em função de novas práticas que passaram a ser exigidas por todo ecossistema que se relaciona com estas empresas e os quais elas impactam. O surgimento das práticas de ESG (Environmental, Social and Governance) vieram em boa hora para consolidar e exigir práticas que há muito tempo se espera das empresas e que vêm ganhando cada vez mais espaço, de forma com que ao mesmo tempo em que atendam demandas emergentes da sociedade permita-lhes também obter retornos positivos dessas práticas enquanto empresa (Who Cares Wins), gerando assim o famoso ganha x ganha.

Todos os componentes do conceito ESG são de suma importância nesse processo de evolução das empresas, mas gostaria aqui de focar no componente Governança, que embora apareça como último componente dentro do conceito ESG é, no meu entendimento, o primeiro e base fundamental para que os demais possam ser edificados de forma sustentável e segura, abrangendo todos aqueles que podem se beneficiar destas práticas.

Desenvolver e implementar ações sociais e ambientais de forma adequada estão diretamente relacionadas a uma governança capacitada, construída sob pilares fortes e plenamente divulgados para todos aqueles que estão envolvidos no dia a dia da empresa, sejam, clientes, fornecedores, parceiros, acionistas e principalmente os colaboradores, protagonistas deste processo dentro das empresas.


Governança Corporativa

O pilar governança corporativa diz respeito à administração da empresa, utilizando do “tone at the top” (O exemplo vem de cima) para colocar em prática os compromissos estabelecidos e como já dito, é a base que vai garantir o cumprimento a longo prazo das práticas ESG, englobando principalmente ética, transparência e responsabilidade perante os riscos.

Dentro do protagonismo da Governança Corporativa, ética e transparência são pilares fundamentais e que, na minha forma de ver, devem ser tratados sempre com a máxima atenção e prioridade, pois assim como uma peça de cristal, uma vez quebrado dificilmente poderá ser reconstruído sem que sejam vistas as fissuras deixadas por essa quebra.

Para que isso não ocorra, ética e transparência, devem estar presente no dia a dia da organização, claramente definidos, divulgados e inegociáveis pois somente dessa forma será possível obter a confiança de todos aqueles que com ela se relacionam, favorecendo assim a sua constante evolução e desenvolvimento dentro das premissas que norteiam relações de negócios saudáveis.


Ética Empresarial

De uma maneira objetiva, quando falamos em ética empresarial, estamos falando dos valores morais e éticos de uma empresa dentro do seu ramo de atuação, assim como diante de seus clientes e concorrentes. Valores éticos não são elásticos e, portanto, são em linhas gerais os mesmos que regem nosso comportamento ético e de conduta em nosso meio social. Acredito que o melhor guia em relação ao comportamento ético é: Faça sempre a coisa certa, não importa se não estão olhando!

O comportamento ético, seguindo os valores definidos por uma organização, torna o relacionamento entre todos os stakeholders mais tranquilo, claro e agradável uma vez que todos entendem que os valores são únicos.

Na esteira do compromisso ético não podemos deixar de lado o conceito de transparência pois ser ético, entre outros atributos, está o de ser transparente em relação as nossas ações para atender aos objetivos da empresa e, quando digo ser transparente, contemplo aqui todos os aspectos, sejam eles positivos ou negativos. Temos obrigação de informar tudo que pode gerar impacto positivo para organização na mesma proporção em que temos que informar tudo aquilo que possa ser negativo aos olhos de todos aqueles que com ela se relacionam direta ou indiretamente. A transparência total e irrestrita, principalmente em temas que possam trazer resultados negativos, servem para mostrar que isso faz parte dos valores da Empresa e no longo prazo trarão uma relação de confiança, pois deixará claro que a transparência em qualquer situação não se trata de oportunismo para ganho momentâneo, mas sim uma forma de gestão perene que trará não outro resultado além da confiança do mercado e da sociedade em relação a organização e tudo aquilo que ela se propõe a fazer.


O papel da Cogna

Finalmente, importante salientar que todos os pilares e conceitos tratados acima, recebem toda a atenção e preocupação da Cogna e as empresas que fazem parte do Grupo. Esses pilares são peças fundamentais daquilo que nos propomos a fazer dentro de nossa área de atuação, levando conhecimento e transformando a vida de milhares de alunos todos os anos por meio da educação.

Ser uma empresa ética e transparente é uma das melhores lições que podemos ensinar a aqueles que ano após ano depositam em nós a confiança de prepará-los para um mercado de trabalho melhor e, principalmente, contribuindo para uma sociedade melhor.

Nelson Guimarães | Cogna

Nelson Guimarães é graduado em Engenharia Mecânica/Produção e tem experiência de mais de 19 anos em Áreas relacionadas a Governança Corporativa, atuando em empresas Nacionais e Internacionais. Desde 2012 atua na Cogna, sendo responsável pela implementação e liderança das áreas de Gestão de Riscos e Controles Internos, Auditoria Interna, Privacidade de Dados e Compliance. Atualmente, é Diretor de Compliance.

* Este texto não reflete, necessariamente, a opinião da Cogna Educação. O conteúdo é de responsabilidade exclusiva do autor.


Visualizador